29 de março de 2011

Não sei o que dizer ....

"The radioactive core in a reactor at the crippled Fukushima nuclear power plant appears to have melted through the bottom of its containment vessel and on to a concrete floor, experts say, raising fears of a major release of radiation at the site."

The UK’s Guardian reports the grim news in its breaking story whose blunt headline I used above.

– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"

Ora bem, vamos todos ver se será ou não ...

– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"

O artigo deve ser lido na totalidade.

Pois ....

 "– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"

28 de março de 2011


É um dossiê do The Economist sobre o futuro do Estado e da Administração Pública. Consegui fazer o "download" gratuito do mesmo. Abaixo alguns excertos da primeira peça daquele - a única que li até agora - para suscitar a leitura. Os sublinhados são meus.

"[Em Xangai] Over the past five years Ms Ma has paid out 400m yuan ($57m) to the NGOs for social work, mainly to do with the elderly. The groups are evaluated by third parties on things like their corporate governance: the higher their rating, the more money she trusts them with. She provides training in social work and tax advice. She would like donations to more NGOs to be tax-deductible, as in the West."


"[....] Nor is it just spineless politicians who are at fault. A lot of economic theorists have predicted an ever larger state since Adolph Wagner linked its growth to industrialisation in the 19th century. The Baumol cost effect is often cited. In the 1960s William Baumol and William Bowen used the example of classical music to show that some activities are not susceptible to improvements in labour productivity. [....] Larry Summers [....] argues that the goods governments buy, especially health care and education, have proved much more resistant to productivity enhancements than the rest of the economy. [and ....] expects that trend to continue. An ageing population will need ever more health services provided by the state. Better education means longer school years, smaller classes and more after-school activities, all of which cost more. Greater inequality will mean greater redistribution [....] The pressure to spend more is continuous [....]

[....] This special report takes a more optimistic view. To start with, it is not inevitable that spending will keep on going up. Countries such as Canada and Sweden have reduced public spending when they had to. Moreover, some governments are massively more efficient than others, and there are huge gains to be achieved merely by bad governments copying what good governments do—such as planning ahead, backing winners and rewarding people for doing the right thing. With a smaller central core and much more competition for the provision of services, most governments could do the same for much less.

On a personal level, the state matters because it has a big impact on people’s lives. As Geoff Mulgan observes in his excellent book on the state, “Good and Bad Power”, the quality of the state you live in will do more to determine your well-being than natural resources, culture or religion. In the surveys that measure people’s happiness, decent government is as important as education, income and health (all of which are themselves dependent on government). 

To business, government can make an enormous difference. Most obviously, if the state accounts for half the economy then improving any part of that will create better conditions for growth. Even if government were to cost the same but produce more (better-educated workers, decent health care, roads without holes, simpler regulation), the effect on private-sector productivity would be electric."


A deriva da direita norte-americana em direção à completa ignomínia continua (leiam o artigo completo):

"Recently William Cronon, a historian who teaches at the University of Wisconsin, decided to weigh in on his state’s political turmoil. He started a blog, “Scholar as Citizen,” devoting his first post to the role of the shadowy American Legislative Exchange Council in pushing hard-line conservative legislation at the state level. Then he published an opinion piece in The Times, suggesting that Wisconsin’s Republican governor has turned his back on the state’s long tradition of “neighborliness, decency and mutual respect.”

So what was the G.O.P.’s response? A demand for copies of all e-mails sent to or from Mr. Cronon’s university mail account containing any of a wide range of terms, including the word “Republican” and the names of a number of Republican politicians.

If this action strikes you as no big deal, you’re missing the point. The hard right — which these days is more or less synonymous with the Republican Party — has a modus operandi when it comes to scholars expressing views it dislikes: never mind the substance, go for the smear. And that demand for copies of e-mails is obviously motivated by no more than a hope that it will provide something, anything, that can be used to subject Mr. Cronon to the usual treatment.

– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"


Neste momento não tenho dúvida quanto ao modo como gostaria de votar: como votei para as presidenciais.

De acordo com o que se diz neste artigo de Pedro Adão e Silva, com a exceção do que se diz no último parágrafo: é deselegante e, até prova em contrário, injusto - (isto que digo, no entanto, não autoriza qualquer juízo sobre o que digo no primeiro parágrafo, ou sobre aquilo que farei).A minha paciência com a incorreção anda abaixo do zero.

"O sistema político atingiu o ‘ponto de rebuçado’: todos vêem vantagens em precipitar eleições. Com um governo minoritário e perante ajustamentos que não encontram paralelo na democracia, era inevitável que o dia em que PS e PSD convergissem na vontade de ir a votos chegasse.

Até aqui, quando o PS queria eleições, o PSD não queria e quando o PSD queria, o PS não queria. Mas eis que numa semana tudo muda.

– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"

Convergência regional a nível europeu e mundial

Seria curioso saber como isto seria interpretado se fosse lido por alguns, mas tenho um palpite: a primeira coisa seria referir que temos convergido com o Continente e, mesmo, ultrapassado algumas das suas regiões - foi aquilo que foi enfatizado aquando do anúncio dos últimos dados conhecidos sobre a evolução do PIB regional em Portugal.

[....] An analysis by The Economist shows that regional income disparities have widened in several rich countries during the recession (see article), and are particularly big in Britain and America. The gap between Britain’s poorest regions (mainly in the north and Wales) and its richest (in the south-east) has widened for the past 20 years. It grew worse during the recent recession, and is likely to widen again as government budget cuts fall disproportionately on poorer regions. [....]

Does this matter and, if so, what should be done about it? To most politicians the answer to the first question is self-evidently yes. [....] And all too often the answer to the second question has involved subsidies. The European Union’s “structural funds”, more than a third of the EU’s budget, are designed to shift cash from richer to poorer parts of the single market. [....]

People not places

Unfortunately, the record of such regional-development efforts is poor. [....] Even policies that, in principle, should be helpful, such as improving infrastructure, are no panacea. [....] And good intentions can backfire: “enterprise zones” and other regional tax incentives often shift jobs away from places that don’t get the subsidy, rather than create new ones. 

Instead of obsessing about revitalising lagging regions, politicians would do better to focus on the people within them. A region’s prosperity is determined by its inhabitants’ productivity and thus by people’s skills, the scale of capital investment and the pace of innovation. These are bound to vary across regions.

"– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"

27 de março de 2011

Infelizmente ....

The reasons we must be far more ambitious in politics and policy and clean technology deployment are the increasing evidence of accelerated carbon-cycle feedbacks and the dire warnings from the scientific community about the dangers of unrestricted greenhouse gas emissions (see Lonnie Thompson on why climatologists are speaking out: “Virtually all of us are now convinced that global warming poses a clear and present danger to civilization”).

Yet, most new climate science remains either under-reported or mis-reported by most of the traditional media and blogosphere.  And, like CO2 concentrations, the rate of growth (of important science articles) is growing faster as the reality of human-caused climate changes grows 


{Also, increases in per capita energy and electricity use do not correlate with increases in well-being in developed countries}

The study’s conclusion includes electricity: “The present analysis with longitudinal data shows that among industrial nations, increases in per capita energy and electricity consumption over the past three decades are not associated with corresponding improvements in quality of life.”

Again, not a big surprise.  After all, California kept per capita electricity consumption flat for the past three decades while it has gone up 60% in the rest of America, and they are in the same country.  Sort of.

O artigo faz referência a um conjunto de trabalhos científicos saídos recentemente.

Astronomy Picture of the Day, 2011 March 27 - O grandedesfiladeiro de Marte

Clicking on the picture will download the highest resolution version available.

Valles Marineris: The Grand Canyon of Mars
Credit: Viking Project, USGS, NASA

Explanation: The largest canyon in the Solar System cuts a wide swath across the face of Mars. Named Valles Marineris, the grand valley extends over 3,000 kilometers long, spans as much as 600 kilometers across, and delves as much as 8 kilometers deep. By comparison, the Earth's Grand Canyon in Arizona, USA is 800 kilometers long, 30 kilometers across, and 1.8 kilometers deep. The origin of the Valles Marineris remains unknown, although a leading hypothesis holds that it started as a crack billions of years ago as the planet cooled. Several geologic processes have been identified in the canyon. The above mosaic was created from over 100 images of Mars taken by Viking Orbiters in the 1970s.

– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"

26 de março de 2011

Eficiência (relativa) da educação portuguesa no século XX

[clicar para aceder a uma versão maior]
"As you can see, there's a tight relationship between school enrolment in 1900 and income a century later. Ed Glaeser wrote on this back in 2009:

One reason that historical education levels have such predictive power is that educational investment is extremely persistent. School enrollments in 1900 can explain more than 72 percent of the variation in years of schooling across countries today, as measured by data collected by Robert J. Barro and Jong-Wha Lee; a similar degree of persistence occurs across United States cities.

Educated parents and teachers produce educated children; societies that invested in schooling a century ago still generally do so today. Moreover, education has an extraordinarily high contemporaneous relationship with national income levels.

- Sent using Google Toolbar"

Obviamente, isto é sabido. No entanto, não deixa de ser curioso o posicionamento de Portugal. Inspecionando o gráfico acima ressalta que Portugal tem um desempenho em termos do PIB muito satisfatório face ao seu nível de escolaridade em 1900 em comparação com a média do comportamento dos outros países. Porquê?

25 de março de 2011

No entretanto, importa recordar a história recente ....

Eu vou fazendo um esforço para não esquecer todos os aspetos do problema. É tudo uma questão de ir exercitando a honestidade intelectual. E o que se segue, vindo de alguém que respeito, parece-me correto e de acordo com o que efectivamente se passou, esperando, no entanto, que a última frase não seja mais do que um desabafo, não tendo qualquer aderência à realidade - se a frase for mais do que isso, é uma frase assassina. Deverão ler o artigo na totalidade: 

Da credibilidade | Vítor Bento | Económico: ‘The absence of trust is clearly inimical to a well-run society’. Tony Judt, Ill Fares the Land

Quando o Orçamento de Estado para 2009 foi aprovado - contemplando um eleitoralista aumento salarial de 2.9% -, tinha previsto um défice global de 2.2% do PIB, assente numa previsão de crescimento do PIB de 0.6% (apesar da queda de 1.3% prevista para a zona euro e de a economia já estar em recessão). A maioria dos economistas não alinhados advertiu logo para o irrealismo, quer da previsão económica, quer do défice orçamental.

Mal o Orçamento foi aprovado, foi logo corrigido através de uma Iniciativa para o Investimento e o Emprego que implicava, segundo o anúncio feito e para além da utilização de fundos comunitários, um acréscimo de despesa orçamental correspondente a 0.8% do PIB, colocando, por conseguinte e implicitamente, o défice global do Orçamento acabar de aprovar nos "míticos" 3% do PIB. Mas recusando-se a reconhecer que o valor real seria inevitavelmente muito superior a esse limite, para não contrariar a narrativa eleitoral "optimista" que negava qualquer crise financeira.
Com o decorrer do ano, o inevitável agravamento da recessão e o irrealismo de que partira, a situação orçamental foi-se afundando. Porém, contra todas as evidências e as análises de muitos economistas, a recusa governamental em pôr em causa a fantasiosa narrativa eleitoral manteve-se. De tal forma que, no exercício de reporte obrigatório à Comissão Europeia, feito nas vésperas do ato eleitoral, se reportou um défice de 5.8%, quando economistas - com muito menos informação do que a oficial - já diziam há meses que o valor não poderia ser inferior a 7%. É claro que as previsões económicas daquela Comissão, divulgadas pouco depois, já apresentavam um défice de 8%, mostrando a credibilidade atribuída ao que lhe fora reportado pelo Governo português. [....]

E continua .... A minha dúvida como cidadão é cada vez mais se outro governo saído da classe política portuguesa, armado das convicções prevalecentes sobre como atuar politicamente, no mesmo quadro, não teria atuado de modo semelhante. É óbvio que como defesa esta linha é medíocre e indesculpável, mas importa ter esta questão presente para não haver ilusões. 


A situação portuguesa, em particular, no que respeita à educação vista pelo WSJ, via  The Portuguese Economy:

"– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"

Protestos nos países árabes, economia e demografia

[clicar para aceder a versões maiores]

"- Sent using Google Toolbar"

Maus costumes

De acordo com o que se diz abaixo, e, em particular com o reparo feito quanto à campanha de destruição de carácter que o PSD, ou dados sectores do PSD, montaram quanto a Sócrates - sempre antevi, e escrevi-o neste blogue, que o país pagaria caro isso pelo clima de desconfiança e ressentimento que estava a fomentar. Essa campanha aliás, estou disso também convencido, porque percebida por parte da população como injusta, ou desproporcionada, ou desleal, acabou para contribuir para que a popularidade de Sócrates se tivesse mantida relativamente alta contra ventos e marés. Para essa parte da população, mais do que os pecados de Sócrates, considerados como estando na média da classe política portuguesa, contaria as suas virtudes de coragem e resiliência, mormente, face àquela campanha..

Cabeça fria | João Cardoso Rosas | Económico: "A política portuguesa parece ter mergulhado num vórtice auto-destrutivo no qual a razão não é mais do que uma serva das paixões.Os principais agentes políticos são guiados pelo ódio, pela desconfiança e pelo ressentimento, tendo esquecido a virtude da prudência, que aconselharia calma, discernimento e moderação.

O Governo e o primeiro-ministro escolheram uma fuga para a frente, tratando com desprezo e sobranceria a oposição e o Presidente da República. O principal partido da oposição e o seu líder cederam à sua própria sede de poder e a uma incontida aversão face ao primeiro-ministro e ao Governo. A antiga líder do PSD procura agora a vingança pessoal, esquecendo que foi a sua política de destruição de carácter que criou as condições de crispação e irracionalidade que hoje vivemos. Até o Presidente da República deixou extravasar, desde a noite eleitoral, a sua própria cólera e indignação (isso desiludiu-me - um Presidente tem de ter 'a pele dura').

– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"

24 de março de 2011

Europa a duas velocidades e a Alemanha

Um excelente artigo de George Soros sobre a situação económica da Europa, as razões dessa situação, a responsabilidade da Alemanha nisso, e o que se pode fazer. A ler mesmo. Obviamente, não podemos esquecer nunca a nossa própria responsabilidade, mas, no entanto, uma coisa, além disso, é certa: a resolução disto passa, de modo inexorável, por uma adequada resposta europeia. Esta crise resulta não só da fome como, também, da vontade de comer.

FT.com / Comment / Opinion - How Germany can avoid a two-speed Europe: "Germany blames the crisis on the countries that have lost competitiveness and run up their debts, and so puts all the burden of adjustment on debtor countries. This is a biased view, which ignores the fact that this is not only a sovereign debt crisis but also a currency and banking crisis – and Germany bears a major share of responsibility for those crises.

– Enviado através da Barra de ferramentas do Google"


'Não quis entrar em politiquices, por isso não falei de medidas concretas.'

- Sent using Google Toolbar"

Realmente, esta não necessita de ser desmontada, nem o facto do PSD ter votado a eliminação da avaliação dos professores.

Infelizmente, o novo ciclo político começa a perfilar-se mal. Enfim, importa ressalvar o reparo quanto ao aumento do IVA: terá sido um mero erro de desempenho eleitoral?

23 de março de 2011

Chamada de atenção

O Expresso da próxima semana distribuirá em DVD (€ 9,90) o documentário "Inside  Job" sobre as causas da actual crise. É uma compra obrigatória. Um crítico disse que quem saísse do cinema sem estar muito zangado é porque não o viu realmente. 

Não trata bem os economistas: aos maus, "pouco virtuosos", designa-os como tal; aos bons, aqueles cujo testemunho serve para identificar as causas do desastre, não. Fora isso é excelente.

Lição de história

"- Sent using Google Toolbar"

Vejamos, no entretanto, o que os outros estão a fazer

Acompanhei sempre com interesse as respostas que outras ilhas e arquipélagos davam  às questões económicas e de outro tipo com que, também, os Açores e as outras RUP se confrontavam. Nisso, o caso da ilha Maurícia sempre ressaltou como paradigmático do que se consegue fazer com sucesso mesmo no quadro desfavorável da articulação da distância com a pequenez e o isolamento. Em todo o caso, a descrição de Stiglitz abaixo, ainda assim, surpreendeu-me um tanto ao quanto - não estará a forçar a nota quando torna a Maurícia numa história tão exemplar, talvez, para frisar tudo aquilo que os EUA não estão a fazer? 

No entretanto, pensem no que é necessário para que, do ponto de vista da reflexão estratégica, se consiga ir fazendo aquilo que se tem vindo a fazer na Ilha Maurícia desde a década de sessenta do século passado.

The Mauritius Miracle by Joseph E. Stiglitz - Project Syndicate:Suppose someone were to describe a small country that provided free education through university for all of its citizens, transportation for school children, and free health care – including heart surgery – for all. You might suspect that such a country is either phenomenally rich or on the fast track to fiscal crisis.
But Mauritius, a small island nation off the east coast of Africa, is neither particularly rich nor on its way to budgetary ruin. Nonetheless, it has spent the last decades successfully building a diverse economy, a democratic political system, and a strong social safety net. Many countries, not least the US, could learn from its experience.
In a recent visit to this tropical archipelago of 1.3 million people, I had a chance to see some of the leaps Mauritius has taken – accomplishments that can seem bewildering in light of the debate in the US and elsewhere. Consider home ownership: while American conservatives say that the government’s attempt to extend home ownership to 70% of the US population was responsible for the financial meltdown, 87% of Mauritians own their own homes – without fueling a housing bubble.
Now comes the painful number: Mauritius’s GDP has grown faster than 5% annually for almost 30 years. Surely, this must be some “trick.” Mauritius must be rich in diamonds, oil, or some other valuable commodity. But Mauritius has no exploitable natural resources. Indeed, so dismal were its prospects as it approached independence from Britain, which came in 1968, that the Nobel Prize-winning economist James Meade wrote in 1961: “It is going to be a great achievement if [the country] can find productive employment for its population without a serious reduction in the existing standard of living….[T]he outlook for peaceful development is weak.”
As if to prove Meade wrong, the Mauritians have increased per capita income from less than $400 around the time of independence to more than $6,700 today. The country has progressed from the sugar-based monoculture of 50 years ago to a diversified economy that includes tourism, finance, textiles, and, if current plans bear fruit, advanced technology.During my visit, my interest was to understand better what had led to what some have called the Mauritius Miracle, and what others might learn from it. There are, in fact, many lessons, some of which should be borne in mind by politicians in the US and elsewhere as they fight their budget battles.

"- Sent using Google Toolbar"

Astronomy Picture of the Day - 2011 March 23: Nebulosa, vermelha e quadrada

Astronomy Picture of the Day

[clicar para aceder a uma versão maior]

MWC 922: The Red Square Nebula
Credit & Copyright: Peter Tuthill (Sydney U.) & James Lloyd (Cornell)

Explanation: What could cause a nebula to appear square? No one is quite sure. The hot star system known as MWC 922, however, appears to be embedded in a nebula with just such a shape. The above image combines infrared exposures from the Hale Telescope on Mt. Palomar in California, and the Keck-2 Telescope on Mauna Kea in Hawaii. A leading progenitor hypothesis for the square nebula is that the central star or stars somehow expelled cones of gas during a late developmental stage. For MWC 922, these cones happen to incorporate nearly right angles and be visible from the sides. Supporting evidence for the cone hypothesis includes radial spokes in the image that might run along the cone walls. Researchers speculate that the cones viewed from another angle would appear similar to the gigantic rings of supernova 1987A, possibly indicating that a star in MWC 922 might one day itself explode in a similar supernova.

- Sent using Google Toolbar"

A propósito do dito dia D

Pedro Adão e Silva é para mim um dos melhores comentadores do país e em particular do centro esquerda. Aquilo que diz abaixo, em dois artigos (do mais antigo para o mais recente, e que merecem ser lidos na totalidade), qualifica aquilo que disse aqui, mas não o suficiente para retirar seja o que for ao juízo feito ao discurso de tomada de posse de Cavaco, embora, realmente, eu deveria ter frisado que aquela do "recusar sacrifícios" é indesculpável, infelizmente.

  • arquivo| Pedro Adão e Silva! : Se isto é um Presidente: "Na nuvem de palavras que reproduzia os termos mais utilizados por Cavaco Silva no discurso de posse, Europa aparecia pouco e era impossível vislumbrar a palavra ‘Euro’. Numa intervenção de quarenta minutos, devastadora para o Governo e com um diagnóstico muito critico do país é incompreensível que assim seja. Por muitos males nacionais que existam, não enquadrar a nossa situação na crise da dívida soberana da zona Euro não ajudará a resolver nenhum dos problemas que enfrentamos. Trata-se, apenas, de mais um contributo para a nacionalização da crise que está em curso e que se encarregará de nos afundar mais no buraco profundo onde já nos encontramos. Cavaco Silva foi mais um na longa lista daqueles que alimentam uma ilusão de soberania, trocando discursos críticos, esquecendo que vivemos já num contexto em que os Governos nacionais, de facto, pouco podem fazer.

- Sent using Google Toolbar"

  • arquivo: há resgates e resgates: [....] Os vários actores políticos não souberam estar à altura da responsabilidade do momento dramático que vivemos em Portugal e no conjunto da Zona Euro. Quem são os responsáveis? O primeiro-ministro que, enquanto conseguiu um resgate menos desfavorável que o da Grécia e da Irlanda, continua a demonizar a ajuda externa que de facto já existe e teve sempre reservas em relação a uma coligação; o Presidente da República que, após o inenarrável episódio das escutas ficou tolhido, permitiu a formação de um governo minoritário e depois, na tomada de posse, não lhe ocorreu melhor do que recusar ‘mais sacrifícios’, quando sabia que eles eram inevitáveis e faziam parte de uma negociação em curso com a Comissão e o BCE; e o líder da oposição que, enquanto vai alimentando umas vacuidades sobre os consumos intermédios e sabendo que terá de aplicar a mesma dieta que agora recusa, é movido pela pressão do aparelho que o elegeu, que quer o mais rapidamente possível ir “ao pote”. [....] A margem de manobra que nos resta é quase inexistente e, nesta fase, sem que haja uma revisão profunda da arquitetura da Zona Euro, afirmações como, “distribuir os sacrifícios” ou “não penalizar os do costume” não passam de slogans sem qualquer exequibilidade.

- Sent using Google Toolbar"

22 de março de 2011

I wonder: why?

The Space Review: Earthquakes and climate change: get the data: "Understanding global phenomena and planet Earth are principal benefits and goals of space programs. The earthquake got me thinking about climate change. Both will certainly happen. Both are inadequately understood. Computer models provide only approximate predictions about their timing and effects. Both earthquakes and climate change have huge effects on populations. Both require preparation and even civil defense. Both require environmental protection—in the form of safety standards for earthquakes, and in the form of pollution control for climate. And both have occurred throughout Earth’s history—which makes them no less of a concern now.

What bothers me most about the climate change “debate” is that it is so anti-science. The deniers oppose even the gathering of data about the phenomena. Earth science programs and earth observing satellites were cut back drastically in the previous decade, and now, once again, they are among the chief targets of budget cutters in the Congress. The deniers continuously and deliberately mix discussions of cause and effect. Let’s put aside the causes of climate change for a moment.


Now consider the following: scientists around the world studying climate make incremental improvements on understanding and even predicting it by gathering data from many sources. They create satellite maps of atmospheric data, set up monitoring stations around mapped areas, observe effects from past climate change in plants and on landforms, improve sensors. and build elaborate computer models. They begin to predict general trends, and even start to predict a few specific cases. The predictions are sometimes right, sometimes wrong, but always approximate. More data improves the quality of the predictions. Does this seem worthwhile, like the case in the preceding paragraph? To those in Congress and elsewhere who oppose Earth science, it does not; they want to eliminate the satellites and monitoring and modeling.

- Sent using Google Toolbar"

Pois! No entretanto, os dois últimos lançamentos de satélites dedicados ao estudo do clima, foram para o  caneco. É verdade, e só estou só a constatar....

Notícias do futuro, ou de como as coisas vão ainda piorar mais ...

Artigo sobre Israel que deve ser lido. Um excerto:

Young Israelis: A Turn to the Right? by Eyal Press | NYRBlog | The New York Review of Books: "A striking irony apparent in the survey commissioned by the Kulanana Shared Citizenship Initiative is that young Arabs, who are often portrayed in the Israeli press as implacably hostile to the country’s ideals, support principles such as “mutual respect between all sectors” in higher proportions than their Jewish counterparts (84 versus 75 percent). Significantly more (58 versus 25 percent) also “strongly agree” with Israel’s Declaration of Independence, which states: “All citizens, Jews and Arabs alike, will participate in the life of the state, based on the principle of full, equal citizenship, and appropriate representation in all state institutions.” The country’s founders hoped this language would serve as a set of guiding principles for the state.

“Maybe it’s not a surprise that the minority in any country is very supportive of democratic rights,” says Dahlia Scheindlin. “But it does seem ironic that in the Jewish State, which insists on defining itself as the Jewish democratic state and the only democracy in the Middle East, the Arabs are our most democratic citizens.”

- Sent using Google Toolbar"


[clicar para aceder a uma versão maior]

"- Sent using Google Toolbar"

Astronomy Picture of the Day, 2011 March 22 - Para além da Via Láctea

[Clicar para aceder a uma versão maior]

NGC 6384: Spiral Beyond the Stars
Credit: ESA, Hubble, NASA

Explanation: The universe is filled with galaxies. But to see them astronomers must look out beyond the stars of our galaxy, the Milky Way. For example, consider this colorful telescopic view of spiral galaxy NGC 6384, about 80 million light-years away in the direction of the constellation Ophiuchus. At that distance, NGC 6384 spans an estimated 150,000 light-years. The sharp image shows details in the distant galaxy's blue spiral arms and yellowish core. Still, the individual stars seen in the picture are all in the close foreground, well within our own galaxy. The brighter Milky Way stars show noticeable crosses, or diffraction spikes, caused by the telescope itself.

- Sent using Google Toolbar"

19 de março de 2011

Discurso do Presidente, reações e a minha perplexidade

Deve ser cegueira imputável à minha qualidade de economista, mas para espanto meu, e a contrario da minha área política,  li o discurso de tomada de posse do Presidente e estou de acordo com ele, fora algumas questões de pormenor. Mais, gostei do discurso - vem na linha daquilo que acho que deveria ser a intervenção pública tipo da classe política portuguesa: - ora, até se apela à mudança de comportamentos e à mobilização dos cidadãos! Eu estava à espera de algo diferente que me confortasse com o meu voto em branco. 

Este discurso peca por tardio, não só da parte de Cavaco, como de todos os outros. Já Durão Barroso podia tê-lo feito, Santana Lopes não porque declarou a crise terminada, e tenho pena que o Sócrates não o tenha feito no início do seu mandato - o seu pecado mortal foi não ter dado atenção ao que o seu primeiro Ministro das Finanças lhe queria alertar.

Realmente, Cavaco poderia ter referido a crise internacional, e isso não era difícil de enquadrar na lógica do discurso, mas que não haja dúvida, que aquela só serviu para detonar uma situação insustentável de desequilíbrio das contas com o exterior que se prolongava desde o início da década anterior. A resposta que foi dada à crise, no quadro é certo de uma resposta europeia (mas deveria ter sido uma resposta portuguesa contida), juntou àquele problema o agravar do desequilíbrio das contas do Estado. É óbvio que Cavaco deveria ter falado ao povo português antes, sobre tudo isto, mas atendendo a estas reações, ele deverá saber muito mais do País, e da sua classe política, do que eu desconfio não saber.

Na verdade, a minha perplexidade reside, principalmente, e em primeiro lugar, nas reações da parte do Partido Socialista. O discurso é objetivamente incómodo para o Governo, mas sê-lo-ia de qualquer maneira atendendo à situação atual. Seria sempre posicionalmente incómodo. Mas é deslealmente incómodo? Carreia falsidades? Tenho reparos sobre a validade das "retórica ameaçadora..." e da tese que a má convivência entre poder político e interesses particulares seja uma questão dos últimos anos - isso não é verdade; aconteceu no seu tempo de primeiro ministro; quanto muito poderia ser argumentado que atingiu limites anormais, e isso teria de ser provado. Mas tudo visto, não consigo ver nele um discurso de fação. 

Ainda o nuclear

"Nuclear power is hardly the pristine, economical, unambiguous answer to the nation’s energy needs and global warming concerns. It offers benefits and big-time shortcomings. Ultimately, the price may be much too high.

- Sent using Google Toolbar"

A leitura é obrigatória - é uma excelente síntese do que está em jogo.

18 de março de 2011

Energias renováveis, Portugal, nuclear, Japão ....

Desde há algum tempo a estratégia energética seguida pelos governos Sócrates tem sido sujeita a críticas incidindo sobre o seu custo relativo face a outras alternativas - a necessidade de subsidiação do arranque das renováveis traduz-se no encarecimento da energia quer para as famílias, quer para as empresas; a ênfase nas renováveis, particularmente, da energia eólica, pelas características da produção desta, leva a resultados ineficientes do ponto de vista económico e tecnológico, etc., etc. Muitas destas críticas são articuladas por quem considera a opção nuclear como algo, no mínimo, a exigir discussão em Portugal, na perspetiva da construção de uma, ou duas centrais nucleares, no nosso país. Eu fui acumulando informação sobre a polémica, mas nunca a estudei, e logo não estou em condições de emitir um juízo sobre ela - podem ler o que diz o blogue A ciência é neutra a esse respeito.

O meu partis pris nessa questão foi sempre o de que se deve apostar em primeiro lugar, e de modo enfático, na eficiência energética; em segundo lugar, nas renováveis, com respeito, sempre, pelas restrições económicas e financeiras aplicáveis em cada caso. Entendia e entendo, por um lado, que o necessário encarecimento do preço de energia decorrente da aposta nas renováveis se poderia justificar como prémio de seguro contra os riscos (desde sempre previsíveis e inevitáveis) do aumento do preço do petróleo e da extrema dependência do País do fornecimento dos combustíveis fósseis; por outro, entendia que esse sobre-custo seria um custo admissível pelo fato do  País ser um dos primeiros a encetar, de modo tão extensivo, uma estratégia desse tipo. Como pano de fundo haveria ainda tudo aquilo que diz respeito à emissão de gases de estufa. No entanto, encarei aquela polémica como podendo carrear elementos sérios para qualificar a tempestividade da aposta, quer a dimensão efetiva dos custos  - uma estratégia adequada pode transformar-se num desastre se for mal operacionalizada, e acontece estarmos em Portugal. O tempo dirá do mérito da aposta de Sócrates, e espero que o considere significativo.

Há que reconhecê-lo ....

Há que reconhecê-lo: em primeiro lugar, o homem é, efectivamente, especial; em segundo lugar, estavam, efectivamente, preparados para o irem fritando em lume branco, até à crise enunciada para o fim do ano, aquando da aprovação do próximo orçamento. Foi, do ponto de vista tático, brilhante. A dúvida, a grande dúvida que fica é a de saber qual seria o melhor momento para o País ter a crise enunciada: se agora, ou no fim do ano. Num país ideal, a crise política não ocorreria face ao sarilho monumental em que estamos mergulhados: - o governo governaria; a oposição oposicionaria, ou haveria governo de bloco central, discutir-se-iam os problemas, informar-se-iam a sua dimensão, estudar-se-iam as soluções, mobilizar-se-ia  o cidadão (ai Deus i u é) com "sangue, suor e lágrimas" e por aí diante.

Leiam o artigo do Raul Vaz que o merece.

"Ninguém duvide, também, do estado de lucidez do líder socialista. Sócrates está fino e consciente do efeito da sua estratégia. Não sabe o que (lhe) vai acontecer, mas sabe o que não quer que lhe aconteça: ser frito em lume brando. Sabe que vai perder, só quer perder com honra. E quando assim é, paira a dúvida do que nunca morre: será que ainda dá para dar a volta?

- Sent using Google Toolbar"

17 de março de 2011


Recent climate science suggests human civilization is on the precipice. It turns out that a purely mathematical analysis, “Evidence for super-exponentially accelerating atmospheric carbon dioxide growth,” comes to the same conclusion. he paper itself is mostly for math and statistics junkies. It is essentially agnostic on climate science. But the conclusions are as stark as any in the climate literature:
  • The human population is still growing at an exponential rate and there is no sign in the data that the growth rate is decreasing. Many argue that economic developments and education of women will lead to a decreased growth rate and an eventual stabilization of human population. This is not yet observed in the population dynamics, when integrated worldwide. Let us hope that the stabilization of the human population will occur endogenously by self-regulation, rather than by more stringent finite carrying capacity constraints that can be expected to lead to severe strains on a significant fraction of the population.
  • Notwithstanding a lot of discussions, international meetings, prevalence in the media, atmospheric CO2 content growth continues unabated with a clear faster-than-exponential behavior. On the face of this evidence using data until 2009, stabilizing atmospheric carbon dioxide emissions at levels reached in 1990 for instance seems very ambitious, if not utterly unrealistic. We are not pessimistic. We think that only evidence-based decision making can lead to progress. The present evidence gives some measure of the enormous challenges to control our CO2 emissions to acceptable levels.

Clicar para aceder a uma versão maior da figura

"- Sent using Google Toolbar"


LIMBAUGH:  The Japanese have done so much to save the planet … and yet Gaia levels them [laughs], just wipes them out. Wipes out their nuclear plants, all kinds of radiation. What kind of payback is this? That is an excellent question. They invented the Prius. In fact, where Gaia blew up is right where they make all these electric cars. That’s where the tsunami hit. All those brand new electric cars sitting there on the lot. I like the way this guy was thinking. It’s like — it’s like Gaia hit the Prius and [Nissan] Leaf place. It’s like they were in the crosshairs, if we can use that word, it does. What is Gaia trying to tell us here? What is the mother of environmentalism trying to say with this hit? Great observation out there, Chris.
You just can’t make this stuff up.  Indeed, this would be hard to believe — even for Limbaugh — if it weren’t all on video.

AmericaBlog adds a useful explanation for those reading this from outside of America:
And for any Japanese media out there, you need to understand that this man is the number one radio personality for Republicans in our country. Every Republican presidential candidate and every Republican White House goes on Limbaugh’s radio show to try to curry his favor. Even the head of the Republican party does what Limbaugh wants. This isn’t just some crazy right-wing American guy. He’s a leader in the Republican party, and supported by all the leaders of the Republican party. You’re being attacked by a lead member of the Republican establishment in America. Let’s see if any Republican leaders have the courage to criticize Limbaugh for his comments. More likely, you’ll see them interviewing on his show again soon.

"- Sent using Google Toolbar"

Absolutamente aterrorizador

"- Sent using Google Toolbar"

16 de março de 2011

Encélado, Saturno

"What a difference seven years can make. Before 2004 Saturn's moon Enceladus was just another of the 61 significant natural satellites in this system. Yes, it was exceptionally reflective, its snowy white surface pretty much the highest reflectivity of any body in the solar system. Yes, it appeared to have a particularly youthful, less cratered surface, as seen by Voyager 2's brief incursion. This was an intriguing but incomplete suggestion of geophysical activity. But overall there really wasn't anything that suggested it would be more than another of the beautifully individual large moons around the great ringed world.

Then along comes Cassini. Not only did Enceladus show clear signs of a complex and geophysically active (or is that cryophysically active?) surface but it was spewing what seemed to be geysers of icy water particles out into the cold space of the Saturnian system. Scanning towards its southern polar region revealed that the great 'tiger-stripe' fissures were significantly hotter than their surroundings - although still frigid by our terrestrial standards [continuar a ler ...].

- Sent using Google Toolbar"

Isto está mesmo mau

Isto está mau; não vejo saída alternativa à aplicação dos tratamentos mais dolorosos e, ainda assim, de eficácia duvidosa; e mesmo, no cenário, até agora, pouco provável, que a União Europeia conseguisse começar a fazer as coisas bem feitas, o certo é que estamos no caminho certo, politicamente, para esterilizar  no curto prazo qualquer solução que viesse desse lado.

A primeira referência, abaixo, vem de um blogue do Finantial Times via The Portuguese Economy: The horror scenario que adjetiva o cenário ali equacionado de horroroso. A segunda, é uma descrição excelente do sarilho em que estamos metidos, e o último, é mais um contributo crítico para a discussão do modo como a União deve atuar nesta conjuntura:

"A resposta, meu amigo, está no vento ..."

"- Sent using Google Toolbar"

Via Paul Krugman, numa nota, "A resposta, meu amigo, está no vento" que qualifica as previsões quanto aos custos das energias renováveis, que espero se venha a revelar como, indevidamente, pessimista. Em todo o caso a música, desde sempre uma das minhas favoritas, é a razão para esta nota.

14 de março de 2011

Feio, mau e estranho

Tudo isto está feio, mau e estranho.

Mesmo à luz do que o PM disse, continuo a não perceber as razões porque conduziu, como conduziu, o processo de apresentação do novo PEC (e o congelamento de todas, todas as pensões, já agora): -   ou porque se distraiu, conduzindo aquele com os pés; ou porque quer provocar eleições antecipadas já, como se percebe no Expresso que possa ser a explicação.

Em todo o caso é patente - continuando a ter como referência o Expresso - que impera o mais extremado tacticismo partidário de parte de toda a gente, no quadro de uma crise que não necessita de qualificativos e que tende a aprofundar-se. Tudo deveria ser feito para evitar uma crise política: não era esse o consenso que motivou, aliás, e com razão, todos malharem no Bloco?

"Se non è vero, è ben trovato."

"- Sent using Google Toolbar"

13 de março de 2011


Michael Conathan, CAP’s Director of Oceans Policy, explores the implications of the remarkable chart — of fish brought to market in the United States — above in this cross-post.

We now live in a world where overfishing is far too prevalent. To stem this tide, regulators impose tighter and tighter restrictions on fishermen,* in the face of fundamental disagreements among harvesters, regulators, and conservationists about how many is too many.

"- Sent using Google Toolbar"

A nota refere-se a situação das pescas nos EUA, mas os problemas de todo o tipo  ali referidos, penso que são semelhantes aos existentes em qualquer lado - já referi a questão das pescas na região uma série de vezes (ver sob a etiqueta "mar" ou fazer pesquisa no motor de busca do blogue: "mar+região"). A informação dada pelo SREA possibilitaria reproduzir este gráfico para os Açores - eventualmente, já existe.

12 de março de 2011

Eficiência versus valores

"One of the most frustrating things about policy debate is the way in which arguments about efficiency are often interpreted and responded to as arguments about values.

- Sent using Google Toolbar"

A frase é incontornável no que respeita à discussão da prática da esquerda conservadora portuguesa (não é um oximoro). A nota donde foi tirada a frase refere uma discussão sobre os méritos da subsidiação da agricultura, e é muito interessante. 


Cada um tem o direito de escolher a formação que mais se adequa ao perfil das suas preferências e curiosidades intelectuais. Daí ser legítimo que se escolha qualquer formação. Mas escolher aquilo de que se gosta, por vezes, tem um custo: deveria ser uma questão de bom senso saber-se que a procura de determinadas formações é escassa no mercado de trabalho português, pelo que, escolhê-las, é um risco se se pretende, em primeiro lugar, a empregabilidade, como também a boa empregabilidade. Quanto muito a formação universitária, qualquer que ela seja - e é bom que ela tenha seja conseguida de forma esforçada - é uma plataforma sobre onde, em princípio, se construirá um percurso profissional melhor, independentemente do seu ponto de partida: um repositor de hipermercado com formação universitária - de novo, em princípio - se tiver a atitude correcta, irá ter um percurso profissional melhor e mais compensador ao longo da vida do que o seu colega que não tem essa formação, porque é pressuposto que tenha competências e capacidades diferentes e mais exigentes.

Isto é uma verdade à La Palice (embora, como se disse aqui...) Qualquer aluno universitário deve sabê-lo; os pais devem sabê-lo; os professores devem dizê-lo; e as Universidades deveriam ter o cuidado de frisá-lo, e já agora, deveriam ter  tido muito mais cuidado com o que ofereceram. Se querem tirar um curso de Relações Internacionais, de Comunicação Social, de Assuntos Europeus, ou mestrados sobre a problemática da Paz (ouvi eu na TV), ou quaisquer outros, por uma questão de curiosidade ou aprofundamento intelectual, excelente, mas, mais do que isso, ninguém pode assegurar seja o que for - a insegurança e a precariedade combatem-se com formações de banda larga, com a multiplicação de formações, com as atitudes correctas e exigentes, e mesmo assim não é seguro que à partida se consiga o  tal emprego de Dr.. 


Samuel Huntington [in] “The Clash of Civilizations?”[wrote that]human beings [...] are divided along cultural lines — Western, Islamic, Hindu and so on. There is no universal civilization. Instead, there are these cultural blocks, each within its own distinct set of values. The Islamic civilization, he wrote, is the most troublesome. People in the Arab world do not share the general suppositions of the Western world. Their primary attachment is to their religion, not to their nation-state. Their culture is inhospitable to certain liberal ideals, like pluralism, individualism and democracy. 

Huntington correctly foresaw that the Arab strongman regimes were fragile and were threatened by the masses of unemployed young men. He thought these regimes could fall, but he did not believe that the nations would modernize in a Western direction. Amid the tumult of regime change, the rebels would selectively borrow tools from the West, but their borrowing would be refracted through their own beliefs. They would follow their own trajectory and not become more Western.The Muslim world has bloody borders, he continued. There are wars and tensions where the Muslim world comes into conflict with other civilizations. Even if decrepit regimes fell, he suggested, there would still be a fundamental clash of civilizations between Islam and the West. The Western nations would do well to keep their distance from Muslim affairs. The more the two civilizations intermingle, the worse the tensions will be. 

Huntington’s thesis set off a furious debate. But with the historic changes sweeping through the Arab world, it’s illuminating to go back and read his argument today. In retrospect, I’d say that Huntington committed the Fundamental Attribution Error. That is, he ascribed to traits qualities that are actually determined by context.

"- Sent using Google Toolbar"

Nunca gostei da tese de Huntington, mais que não fosse, porque atribuo grande importância ao contexto (mas não conhecia o Erro Fundamental da Imputação), e o contexto no caso dos países árabes passa por coisas, como, por exemplo, a (não) resolução do problema palestiniano - livro a ler é o de Robert Fisk, The Great War for Civilisation (foi publicado já em Portugal, e ver também aqui).


"One of the three ancient arts of discourse, rhetoric is all about how you make the case for something. It’s a way of framing a debate, using language persuasively, and when used right it’s the counterpoise to sophistry. A skilled rhetorician can convince you of the merits of a case, but he or she will do so using logic as a way of getting at underlying truth.

- Sent using Google Toolbar"

Daqui retira-se - retiro eu - que o discurso político em Portugal, todo ele, não é retórico. Note-se que em termos populares retórico significa: "Que fala muito e bem, mas superficialmente" (Dicionário Priberam da Língua Portuguesa). Eu acrescentaria acima ao usar a lógica, "e a informação".

O artigo donde se tirou a citação não tem nada a ver com a política, mas é interessante.

Euro e Portugal

Mais sobre o Euro, mas, agora, incidindo também sobre o caso português. 

A primeira referência abaixo do The Portuguese Economy traz um conjunto de opiniões de economistas portugueses sobre a questão de devermos recorrer ou não à intervenção externa - escolhi reproduzir duas dessas opiniões; a segunda referência é de um artigo de Martin Wolf sobre a situação da Zona Euro onde se faz menção de um estudo da Nomura (dá-se o link) e se apresentam gráficos que ilustram bem a situação portuguesa; a terceira, também do primeiro blogue, remete-nos para um artigo sobre a posição alemã em toda esta situação. Todo este material deveria ser acedido para leitura integral.


The Irish Economy na nota referenciada acima (cujo tema não é aquele em epígrafe) remete-nos para uma intervenção na LSE de que se retiram os seguintes extractos (ver sob o nome de John Burton) - têm a ver com o processo que levou à criação do Euro e são factos históricos que importa não esquecer (se quisermos perceber minimamente o assunto):

This Delors report [1989] was even more specific than the Werner report was, in envisaging the dangers that inconsistent economic policies within the single currency area could give rise to. It warned “Monetary union without a sufficient degree of convergence of economic policies is unlikely to be durable and could be damaging to the Community. Parallel advancement in economic and monetary integration would be indispensable in order to avoid imbalances.”

10 de março de 2011


Figure 2. Smoke from fires in Russia on August 4, 2010 covered an area over 3,000 km (1860 miles) across. If the smoke were in the United States, it would have extended from San Francisco to Chicago. Visibility in Moscow dropped to 20 meters (0.01 miles) on August 4, and health officials warned that everyone, including healthy people, needed to take preventative measures such as staying indoors or wearing a mask outdoors. Image credit: NASA.

"The deadliest heat wave in human history--the 2010 Russian heat wave, which killed approximately 56,000 people last summer--was due to a natural atmospheric phenomenon often associated with weather extremes, according to a new NOAA study. The study, titled 'Was There a Basis for Anticipating the 2010 Russian Heat Wave?' was accepted for publication in the journal Geophysical Research Letters, and used observations and computer climate models to evaluate the possible roles of natural and human-caused climate influences on the severity of the heat wave.

- Sent using Google Toolbar"

The Greenland and Antarctic ice sheets are losing mass at an accelerating pace, according to a new NASA-funded satellite study. The findings of the study — the longest to date of changes in polar ice sheet mass — suggest these ice sheets are overtaking ice loss from Earth’s mountain glaciers and ice caps to become the dominant contributor to global sea level rise, much sooner than model forecasts have predicted.
The study, led by the U.S. Jet Propulsion Laboratory, was just published in Geophysical Research Letters here (subs. req’d). It’s been clear for a while that not that polar ice sheet mass loss is accelerating (see Large Antarctic glacier thinning 4 times faster than it was 10 years ago: “Nothing in the natural world is lost at an accelerating exponential rate like this glacier”).

But the new study is a bombshell because of its credibility and thoroughness — and because it provides perhaps the most credible estimate to date of the sea level rise we face in 2050 on our current emissions path, 1 foot. People, including commenters here, are always asking me what kind of sea level rise we face by midcentury. Now we have a reasonable figure.

"- Sent using Google Toolbar"